Ciela — A Taverna do Cão Sarnento

Um estabelecimento para piratas e sujeitos de índole suspeita em geral!

Racalzar, o priorado de Ciela que fica no território de Tollon, é um lugar simplório e sujo, de casas de madeira e ruas de terra batida, habitado por homens rudes e de poucas palavras. Rápidos no uso do machado, tanto para o exaustivo trabalho nas florestas do reino quanto para defender a própria honra; também é um dos melhores lugares para se conseguir embarcações de pequeno porte, sendo algumas vezes procurado por homens com muito dinheiro e gostos simples, ou, muito mais comumente, por salafrários e piratas com pouco dinheiro e muita necessidade de um navio. Para estes, enquanto aguardam pelos serviços prestados no cais, as portas da Taverna do cão Sarnento estão sempre abertas.

De propriedade do pacato Ilgon Josson e sua gorda esposa, Laurita, é frequentada principalmente por piratas, cortadores de garganta, mercadores ou contrabandistas de escravos; e por um ou outro clérigo decadente de Viany, a deusa menor do vinho. Trata-se na verdade de um pouco mais do que um velho rancho de madeira, com um pé direito muito alto com telhas à mostra, enegrecidas pela fumaça. O chão é de terra forrado com palha, e a maior parte das mesas e bancos são velhos barris de rum ou restos de navios. Apenas Ilgon circula pelos clientes, sempre de posse de um pedaço de toalha tão encardida quanto suas mãos. Laurita, uma matrona na casa dos sessenta anos é a cozinheira, e há pelo menos seis deles que não consegue mais sair da cozinha da taverna.

Taverna

Sua principal atração, além da bebida extremamente barata, são os bolinhos de caranguejo que Laurita assa às dezenas num velho forno à lenha. Tal quitute também é o principal motivo da própria não conseguir mais se espremer pela porta, obrigando-a a dormir em uma cama de palha e penas de ganso ao lado do fogão. O casal possui quatro filhos, e os rapazes são constantemente empregados pelos frequentadores para entregar recados e bilhetes através de Racalzar, esfregar o pelo dos cavalos ou ajuntar lenha nos arredores. Também é papel deles cuidar do cão Sarnento.

Este velho sabujo de escassos pelos amarelos e uma marca de sarna mal curada que se estende do focinho até a cauda é quase tão famoso quanto a própria taverna à qual dá nome. Ilgon jura que ele já se esgueirava por ali quando o mesmo adquiriu o velho rancho. Outros frequentadores regulares inclusive afirmam que o velho Sarnento já estava lá quando o enforcado Rergan Joss ganhou sua alcunha. De uma forma ou de outra, como o próprio Ilgon nunca fez questão de nomear seu estabelecimento, o cachorro passou a ser usado como referência.

Ilgon é um homem falador e com hábitos irritantes como cofiar os bigodes e ofender-se facilmente com qualquer coisa. Nestas situações, faz questão de estufar o peito, jogar o rosto para cima e com o dedo em riste, lembrar ao cliente em questão que está falando com um legítimo Josson. Apesar de seu aspecto deplorável mesmo para um homem na casa dos quarenta, com uma careca oleosa e grandes bigodes sob o nariz adunco, ele é um dos intocáveis de Ciela, sob a proteção ferrenha da maior parte dos cortadores de garganta da cidade, clientes habituais do lugar.

A taverna também é um ponto de referência para quem busca informações ou precise contratar algum dos distintos membros da corja do lugar, fazendo uma espécie de agenciamento de criminosos, conseguindo-lhes contratos de serviço ou vagas em navios piratas que precisem de tripulantes. Ele nunca delata seus próprios clientes para a justiça, exceto no caso de algumas moedas trocarem de mãos. Mesmo assim, sempre que um justiceiro parte um pouco mais pobre, Ilgon, por sua vez, um pouco mais rico, envia um de seus moleques por um caminho mais curto para deixar o alvo de sobreaviso.

A Família Joss

Uma das mais conhecidas (e numerosas) famílias de Racalzar é a Joss, cuja descendência remonta ao próprio fundador de Ciela, o já lendário pirata contrabandista Rergan Joss. Rergan, inclusive, é famoso não por seu sadismo ou pela sanguinolência de seus atos, mas por ser um personagem presente em centenas (ou milhares, de acordo com um bardo de Petrynia) de anedotas e cantigas envolvendo piratas. Citar seu nome é suficiente para recobrir a história de descrédito.

Por exemplo, algumas contam que, ao fugir de uma esquadra provinda de Tapista, o três vezes embriagado Capitão Rergan chocou seu navio de frente com a onda sem fim que dá nome à cidade. Os destroços e a tripulação foram arrastados até o mangue, onde, por fim, encalharam. Os piratas vagaram pela mata por dias, alimentando-se de caranguejos e bebendo a água do rio até que, após uma longa, úmida e cansativa jornada, reencontraram os destroços da própria embarcação. Resignados, permaneceram ali mesmo, vendendo caranguejos aos navios que passavam, em troca de rum.

Os Joss dividem-se em duas famílias: os descendentes do próprio capitão, que carregam seu malfadado sobrenome ou os Josson, que são descendentes de algum dos tripulantes do navio naufragado (recebendo o sufixo ‘on’ após o nome). Estes não são menos malfadados do que os primeiros, mas não sofrem tanto com as piadas dos bucaneiros. O símbolo da família é um caranguejo dentro de uma garrafa.

Rumores e boatos

  • O cão Sarnento pertencia a Rergan, e por algum motivo, está há quase dois séculos repousando sobre a sepultura de seu dono. Ninguém sabe o motivo de sua longevidade impossível.
  • Enterrado sob o cão Sarnento está escondido o tesouro do Capitão Rergan Joss, assim como também seus restos mortais. O próprio Ilgon já cavou boa parte da propriedade, mas conseguiu com isto apenas emporcalhar ainda mais as próprias mãos.
  • A esposa de Ilgon, Laurita, faleceu há seis meses, quando seu coração não suportou seu peso mórbido e explodiu. Contudo, para a surpresa de Ilgon, ela ergueu-se pouco tempo depois e passou a trabalhar ininterruptamente desde então.

Se você está se perguntando “mas onde diabos fica Ciela?” e de onde saíram todos estes nomes, talvez seja legal acompanhar a tag aqui no site, ou ler o texto de apresentação da cidade tríplice, clicando aqui

Armageddon • 14/10/2013

Comentários